English inglês Castellano castelhano
 
Home >>Página Anterior >> Artigo
As multidões não inovam

Apesar de ser a grande moda, a Web 2.0 não é a receita milagrosa para as empresas inovarem. O escritor americano Nicholas Carr volta a enervar os gurus das tecnologias de inovação

Jorge Nascimento Rodrigues, editor de Gurusonline, Agosto de 2008, com Carr

Sítios de referência:
Sítio pessoal de Carr | Blogue de Carr | www.nicholasgcarr.com/bigswitch/
Encomenda do livro mais polémico: Does It Matter | Artigo recente sobre o tema desta entrevista
Debate em 2003 sobre o tema lançado por Carr e apresentação do livro em 2004 na Janelanaweb

Com o disparo do mediatismo da Web 2.0 gerou-se a convicção que a lógica de mobilizar as 'multidões' seria o novo segredo para provocar a inovação. Para mais, com o desenvolvimento imparável da Web, as ferramentas para conseguir este milagre ficaram à mão de semear. Há mesmo quem já identifique, neste movimento recente, a emergência de uma 'inteligência de massas', que seria a chave para renovar a capacidade de inovação das empresas.

Mas cuidado: não embandeire em arco. Não se iluda. Não queira extrair da contribuição das multidões aquilo que elas nunca darão. "A multidão é mais útil como modelo de optimização, do que de inovação - serve melhor para refinar o velho do que para criar o novo", diz-nos Nicholas Carr, 48 anos, um autor norte-americano que, de vez em quando, choca os gurus das tecnologias de informação (TI) com as suas conclusões "politicamente incorrectas". E acrescenta: "Não espere que as massas tomem o lugar do 'feiticeiro' isolado ou do grupo de magos", comenta com ironia. E voltando ao sério: "A produção pelos pares ou pelas comunidades de amadores tem valor em algumas circunstâncias, mas tem aplicações limitadas". Para ele, os motores da inovação no mundo empresarial continuarão a ser, em grande medida, os talentos individuais (que, aliás, criaram as ferramentas e serviços da Web 2.0) e, depois, uma 'nomenclatura' meritocrática dentro das empresas, por mais que isso custe a aceitar pe Mas cuidado: não embandeire em arco. Não se iluda. Não queira extrair da contribuição das multidões aquilo que elas nunca darão. "A multidão é mais útil como modelo de optimização, do que de inovação - serve melhor para refinar o velho do que para criar o novo", la onda dos 'basistas'.

Mas cuidado: não embandeire em arco. Não se iluda. Não queira extrair da contribuição das multidões aquilo que elas nunca darão. "A multidão é mais útil como modelo de optimização, do que de inovação - serve melhor para refinar o velho do que para criar o novo".

A ideia resumida de Carr é que a inteligência das multidões não é para originar invenções ou dar forma final a produtos ou serviços inovadores para o mercado. Essa inteligência das massas é útil como "input" a digerir por um núcleo duro de talentos (hoje em dia as empresas usam cada vez mais essa diversidade de opiniões que brota das 'massas', da 'rua' do mercado como fonte de ideias, de sinais, de tendências, de teste, ou mesmo de detalhes críticos logo desde início do processo de inovação) ou depois para aprimorar.

O segredo por detrás do Linux

Por exemplo, seria essa tal 'nomenclatura' que permite ao movimento de 'fonte aberta' do Linux manter a sua dinâmica de desenvolvimento depois da sua criação por Linus Torvalds: "A autoridade central [no Linux] encarrega-se de filtrar e sintetizar o trabalho da multidão, escolhendo as melhores contribuições, fundindo-as num produto coerente, e depois redistribuindo o trabalho, de novo, pela multidão para a próxima rodada". O mesmo já não sucede na Vikipedia (cuja qualidade como enciclopédia é contestada pelos especialistas), argumenta Carr. Apesar do esforço progressivo para criar um corpo de gestão e uma hierarquia neste produto da Web 2.0, o mérito não é ainda o critério que garanta o controlo de qualidade, afirma o autor norte-americano. Num artigo polémico ('A Amoralidade da Web 2.0'), já há dois anos, este autor criticava a baixa qualidade dos conteúdos da própria blogosfera e de alguns produtos típicos do movimento da Web 2.0, e sobretudo a "ideologia" de a vestir como o novo supra-sumo da democracia participativa de massas ou da criação espontânea de conteúdos de qualidade.

PERFIL
O 'provocador' Nicholas Carr

Carr há quatro anos atrás provocou um grande frenesim quando afirmou na revista de culto Harvard Business Review que as TI se tinham tornado uma "commodity" e que deixaram de ser alavanca de qualquer vantagem diferenciadora, o que transformou rapidamente o livro que publicou a seguir, com o título 'Does it Matter? ', em uma obra maldita para uma boa parte da comunidade das tecnologias.

Uma continuação do tema vai ser dada à estampa em Janeiro do próximo ano, com o novo livro 'Big Switch - Our New Digital Destiny', cuja tese essencial é que a computação se tornou uma "utility", tal como há muito o é a energia.

Nicholas Carr foi editor executivo da revista Harvard Business Review. Actualmente alimenta o blogue 'Rough Type', que, como o calor aperta, foi de férias até Setembro.
 
Outros Artigos
Peter Drucker - Uma divida pessoal
Entrevista Exclusiva a Peter Drucker
O filme do Management desde The Concept of Corporation em 1946
Quando o Management largou o bibe
A Herança de Alfred Chandler
A internacionalização que nasceu nos sítios errados
Voando sobre um gigante em crise: Radiografia do Japão na entrada do século XXI
«A expressão 'management' é redutora»
Executivos têm de aprender geo-política
Hoffice
Economia Global & Gestão
Geo-política nas empresas
Deixe-se de sofisticações artificiais
Os truques do Jogo de Cintura brasileiro
As Pegadas da Língua
Novo Media Partner Adventus
Os media de carne e osso
Irrelevância da Política?
SKYPE - A nova estrela do hi-tech europeu
Uma cultura forte é discreta, diz o francês Hervé Laroche
O Factor China
Richard Samson fala da «buzzword» que criou: off-peopling
Oligopólio ao quadrado
David Vogel - O crítico da «responsabilidade social»
Vinton Cerf - o «Pai» da Internet explica o que vai fazer no Google
A Guerre Cognitiva segundo Christian Harbulot
ESTAMOS DE LUTO
A Morte do Advogado do Diabo como método de gestão
Cérebros em Fuga da América
O Senhor «Megatrends» dá-nos uns murros
Tendências e Gurus do 1º semestre 2006
A revolução dos escritórios
Não roube o CEO ao vizinho
Sair à rua para inovar
O guru hoteleiro
Truques para fintar concorrentes (quatro conselhos soprados ao ouvido por um especialista do BCG)
Dois novos Blogues da rede Adventus
A Revolta dos Fornecedores
O gosto das multidões ("the taste of the crowds")
PARA ONDE VAI A CHINA
O Mercado Comum do Ocidente
Os Truques das multinacionais emergentes
O mundo à lupa com a Curva J
A ratoeira do «outsourcing»
Os que inovam uma só vez – os «one shot»
O Novo Capital financeiro
Darwin “raptado” para a gestão
Carr volta a atacar
As «buzzwords» mais amadas pelos CEO em 2007
PREMIÉRE MUNDIAL. O anúncio de um experiência de Clonagem Humana
A principal exportação americana
A globalização não é o que se diz
O render da guarda dos fundadores

Índice
   arquivo de Gurus
   arquivo de Temas
   50 anos do Management
   cronologia
   momentos históricos
   os 50 gurus + votados
   livros recomendados
Discurso Directo
   quem somos
   agradecimento
   palavras dos patrocinadores
   prefácios
   guestbook de leitores
   o seu comentário
Patrocínio Global
Altitude Software
Copyright © 2001 GurusOnline.Net - Todos os Direitos Reservados
Uma produção www.janelanaweb.com
Ilustrações: Paulo Buchinho
Digital.PT